Artigo

O MEDO QUE HABITA EM MIM


Por: Mara Lúcia Madureira há 10 meses

O MEDO QUE HABITA EM MIM

Quantos sonhos foram sepultados por medo do fracasso?

Quantas decisões foram adiadas, para nunca, por medo do sucesso?

Quantos medos foram negados por medo das críticas?

Quantos fracassos foram conquistados por medo dos sonhos?

Quando sucesso foi adiado, para nunca, por indecisão?

Quantas críticas foram feitas para negar os medos?

Essa estranha ansiedade nos faz sentir inadequados em quase todos os lugares, fora da zona de conforto, longe do habitual e perto de estranhos.

Essa angústia asfixiante cria demônios, antecipa tragédias, visualiza catástrofes, exagera os problemas, ofusca a beleza, diminui nosso potencial.

O pavor se deita conosco, nos rouba o sono, nos dói na carne, nos mói a alma, nos atormenta.

A vergonha nos amordaça, imobiliza, nos reduz a menos de nós mesmos, nos posiciona abaixo de todos e de quem somos.

Timidez, essa artimanha, inibe nossos amores, aborta todo o espetáculo, enterra nossos projetos, nos frustra até a medula.

Inquietação que nos rói as unhas, alimenta as compulsões por comida, bebidas e outras drogas, por compras, jogos, sexo, telas digitais, roubos e, mais nos aprisiona do que liberta.

Somente a compreensão nos faz entender que medo é biologia, o modo que a vida escolhe para nos proteger de perigos e manter-nos vivos. Ansiedade é coisa normal, necessária, desagradável, mas, não letal.

Aceite os seus temores, aja apesar dos medos. Construa forças para o enfrentamento e descubra o que é coragem.

Persista! Realize mais, invente menos desculpas.

Rejeite viver por menos, viver frustrado, viver de perdas!


Pesquisa